Translate

EDUCAÇÃO

sexta-feira, 14 de agosto de 2009


Conversando com adolescentes

14.08.2009
Tenho vivenciado muitas experiências no campo da Educação, como Professora, Orientadora Educacional e Supervisora Pedagógica. Sempre gostei de ouvir os adolescentes e levar a sério suas conversas. Sei que tenho contribuído com a formação de muitos deles. Tenho ouvido muitas histórias interessantes e muitas delas às vezes precisam ser mostradas para que possamos entender melhor o que pensam as crianças e os adolescentes de hoje. É o caso de Fabrício[1], conhecido como um aluno inquieto, desinteressado, que não gosta de estudar e que sempre prioriza a brincadeira. Na nossa conversa, fiquei impressionada com a sua escrita e a sua letra bem definida e muito legível, pois o imaginava bastante desorganizado nesse campo. De posse de papel e lápis começou a escrever um poema que eu ditava, foi quando constatei que ele não apresentava dificuldades em ler e escrever. Então eu quis saber a sua forma de pensar e sugeri que escrevesse sobre o tema: “Minha visão de futuro”, o que fez prontamente. Eis o que ele escreveu:
Minha visão de futuro

“No meu futuro, não vai ter mais assalto nem assassinato. Vai ser um mundo de paz, todo mundo alegre e eu trabalhando de bombeiro e salvando as pessoas, deixando muitas famílias alegres. E no futuro vai ter carros voadores, muita tecnologia, um mundo sem armas e gangues, sem briga e sem confusão”.
[1] Fabrício (nome fictício), 12 anos, está repetindo o 6º ano, em uma Escola Pública de Natal – RN.
19.08.2009
Hoje, a minha conversa foi com David[2], 13 anos. Três desses anos, repetindo o 6º ano. Era final de expediente na Escola, quando o adolescente foi encaminhado para conversarmos sobre o seu comportamento em sala de aula. Durante a conversa, relatou-me o seguinte:“Meu primeiro ano no 6º ano, foi em outra Escola. No final do ano eu não passei porque eu não assistia aula, não fazia as atividades, conversava muito com meus colegas, aí quando chegou o final do ano eu reprovei. No meu segundo ano no 6º ano, eu estudei nesta Escola, aí também eu não passei porque as minhas notas eram baixas. Aí quando eu fui me interessar já foi no final do ano, aí eu não passei. Mas esse ano eu vou passar porque eu to me interessando para que minhas notas fiquem boas, para quando eu chegar no final do ano eu passar, para dar alegria a minha mãe e a meu pai. Se Deus quiser, eu passo”.Perguntei: Só se Deus quiser?“Não, eu tenho que me interessar, parar de conversar nas aulas e respeitar os professores”.
Perguntei ainda: Esses três anos lhe atrapalharam?“Esses três anos atrapalharam muito por causa das minhas brincadeiras. Mas eu vou estudar para eu ter alguma coisa na minha vida, porque hoje em dia, sem os estudos a gente não é nada. Até para a pessoa arrumar um emprego é difícil. Se a pessoa não tiver estudo, aí ta ruim pra pessoa arrumar um emprego. Era pra eu está no 9º ano”.
David, sente muita dificuldade para organizar suas idéias e representá-las por escrito de forma correta.[2] David (nome fictício), 13 anos, estuda em uma Escola Pública de Natal – RN.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009


Família e Escola

A Escola como um sistema
Educação é vida! A partir do momento que nascemos começamos a aprender coisas. Aprendemos a engatinhar, andar, falar, comer, enfim, aprendemos tudo que é necessário para nos mantermos vivos. Aprendemos com a nossa família, uma educação pautada em valores morais, éticos e religiosos, que vão ser a base da nossa formação enquanto Seres Humanos. Mesmo assim, precisamos aprender uma educação sistematizada, precisamos aprender “coisas” específicas. “Coisas” que vão influenciar a nossa vida pessoal e profissional, “coisas” que nem sempre vamos fazer uso, mas precisamos aprender. Essa é a educação escolar, a educação sistematizada. Por isso, ainda criança, somos levados à Escola.
A Escola é um espaço de socialização por excelência, onde se manifestam sentimentos de aceitação ou rejeição, principalmente porque é quando se descobre que o mundo vai além de nossa casa. A Escola como um sistema instituído para proporcionar o acesso ao conhecimento formal, também cria condições para que aconteça o entrelaçamento de relações que resultam na satisfação das necessidades dos alunos no que se refere ao processo ensino-aprendizagem.
A Escola é considerada um sistema. Segundo Haberkorn (1998), a Teoria Sistêmica tem como objeto de estudo os aspectos relacionais que acontecem nos espaços intra, inter e trans grupais. O conceito central dessa teoria é a idéia de circularidade em oposição à idéia de causalidade linear. Portanto, todos os envolvidos influenciam e são reciprocamente influenciados pelos outros.
Dentro da Escola, existem subsistemas interligados que são responsáveis pelo seu andamento. Assim, numa visão mais ampla da Instituição ESCOLA, observamos que, quando um único subsistema não se compromete com a sua tarefa de ajudar no encaminhamento de ações necessárias a um bom trabalho educativo, todos os outros subsistemas sofrem essa interferência prejudicando o sistema total. É o que chamamos falta de compromisso. Hoje, essa falta de compromisso está muito evidente nas escolas. Uma crise instalou-se e parece estagnada sem perspectiva de mudança. É comum nas Escolas encontrarmos profissionais da educação insatisfeitos com essa Instituição, especificamente a Escola Pública, quanto às condições de trabalho e a não valorização da profissão pelos governantes, gerando insatisfação inclusive, quanto à própria escolha profissional. Assim, compreendemos porque é tão difícil o despertar para uma educação que favoreça uma aprendizagem consistente e construtiva. Uma aprendizagem na qual se possa valorizar o Ser como pessoa, em que se possa trocar saberes e experiências de vida, onde professores, alunos, funcionários e pais possam assumir cada um a sua função, para que a aprendizagem aconteça.
“A escola pode ser considerada como um sistema aberto, que se inter relaciona com outros sistemas; com alguns deles, como a família, divide determinados objetivos e funções” (Solé, 2001, p. 118).
Contribuições da família no aprendizado escolar dos filhos
A família é o lugar soberano para a garantia da sobrevivência e da proteção integral dos filhos. É a família que propicia os aportes afetivos e, sobretudo, materiais necessários ao desenvolvimento e bem-estar dos seus componentes. Ela desempenha um papel decisivo na educação formal e informal. Lá também são absorvidos os valores éticos, culturais e humanitários.
Na relação família/escola, um sujeito sempre espera algo do outro. E para que isto de fato ocorra é preciso que sejamos capazes de construir coletivamente uma relação de diálogo mútuo, em que cada parte envolvida tenha o seu momento de fala, existindo uma efetiva troca de saberes.
Sabemos que no processo de aprendizagem o contexto familiar influencia a aquisição das habilidades metacognitivas (lógica, raciocínio...) necessárias para o aprendizado através da relação entre seus membros e de um ambiente estimulador e adequado que motiva a busca e o desejo de conhecer. Nos últimos anos, o papel da família vem sendo considerado relevante para a aprendizagem escolar porque é a partir dele que são criadas as condições para que tanto o aluno se “familiarize” com o ambiente escolar, como a escola tenha melhores instrumentos de compreensão da criança ou do adolescente, inclusive no aspecto afetivo.
Os recursos utilizados pela família para facilitar a aprendizagem alcançam verdadeiramente seus objetivos quando os pais funcionam como mediadores ajudando os filhos nas suas atividades escolares. O envolvimento da família no processo de desenvolvimento dos filhos, pode ser entendido como o interesse ativo dos pais pela criança e o investimento de tempo e de recursos na sua criação e educação, fornecendo suporte emocional que auxilia na formação do senso de competência, encorajando-os pelos seus esforços e numa “parceria” contribuir para a construção de sua autonomia.
Exemplos simples da vida cotidiana ilustram o envolvimento dos pais: ler para a criança e ouvir sua leitura quando ela solicita; promover e compartilhar atividades de lazer, passeios e férias; assistir à TV junto com a criança e estimular a conversação sobre o que é visto; dar supervisão e sugestões relativamente ao trabalho escolar; perguntar sobre a escola; monitorar as saídas, companhias e amizades. (Marturano, 1999, p. 22)
Para realizar e sustentar essas atividades se faz necessário que os pais sintam prazer em dedicar esse tempo às crianças.
Outro aspecto relevante é a interação pais-filhos e o uso da linguagem no lar, pois as conversações e atividades lúdicas facilitam o desenvolvimento lingüístico e cognitivo importantes para o aprendizado escolar. “São estimuladoras atividades como contar coisas para a criança, fazer comentários sobre o mundo que a cerca, ter disposição para responder e formular perguntas, utilizando palavras que a criança conhece ou está prestes a conhecer”. (Marturano, 1999 p. 22 apud Moreno e Cubero, 1995)
No que se refere a práticas educativas e disciplinares se faz necessária a construção de regras e rotinas, a construção e o suporte à autonomia, que consiste no estímulo à independência da criança exigindo que esta resolva por si mesma seus problemas, estando os pais disponíveis para prestar-lhes o apoio e a assistência de que necessita. Em relação à disciplina, Marturano coloca que: “(...) ambientes familiares onde há expectativas e regras claras e consistentemente aplicadas facilitam a discriminação, por parte da criança, dos processos de controles vigentes da escola”. (Marturano, 1999, p. 22)
Os pais devem também buscar ter acesso a informações através de leituras, cursos, palestras e troca de experiência com outros pais que lhes ajudem a entender e facilitar o aprendizado escolar de seus filhos. Marturano apud Kellaghan, Sloane, Álvares e Bloom, enfatiza que: “A principal contribuição do lar está em ajudar as crianças a construírem uma gama de estruturas e hábitos que formarão os fundamentos para a aprendizagem escolar posterior e continuarão a dar suporte a essa aprendizagem quando elas estiverem na escola”. (Marturano, 1999, p. 25
Maria Joana de Araujo - Pedagoga/Psicopedagoga.

Quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Pensamentos sobre Educação

Às vezes no cotidiano do trabalho nas Escolas, como Educadores, naqueles dias estressantes, em que precisamos de apoio material, profissional, da família, ... etc., E quando não conseguimos um retorno positivo (esse apoio não vem ou não é suficiente), uma palavra de ânimo nos faz muito bem. Ainda mais quando vinda de pensadores da Educação, como as que vemos abaixo. Portanto, caros colegas, façam bom proveito dos pensamentos a seguir:
“O principal objetivo da educação é criar pessoas capazes de fazer coisas novas e não simplesmente repetir o que as outras gerações fizeram”. (Jean Piaget)

“A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida”. (John Dewey)

“Toda a arte de ensinar é apenas a arte de acordar a curiosidade natural nas mentes jovens, com o propósito de serem satisfeitas mais tarde”. (Anatole France)

“O importante é não parar de questionar. A curiosidade tem a sua própria justificativa racional para existir... Não perca nunca essa sacrossanta curiosidade”. (Albert Einstein)

“Na sala de aula, o professor precisa ser um cidadão e um ser humano rebelde”. (Florestan Fernandes)

“O segredo de um bom ensino é respeitar a inteligência da criança como um campo fértil onde as sementes devem ser semeadas, para crescerem no calor da imaginação flamejante”. (Maria Montessori)

“A verdadeira educação consiste em pôr a descoberta ou fazer atualizar o melhor de uma pessoa. Que livro melhor que o livro da humanidade? (Mahatma Gandhi)

“A educação deve formar seres aptos para governar a si mesmos e não para ser governados pelos outros”. (Herbert Spencer)

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”. (Cora Coralina)

“Ninguém nasce feito, ninguém nasce marcado para ser isso ou aquilo. Pelo contrário, nos tornamos isso aquilo. Somos programados, mas para aprender. A nossa inteligência se inventa e se promove no exercício social de nosso corpo consciente. Se constrói. Não é um dado que, em nós, seja um a priori da nossa história individual e social”. (Paulo Freire)

“Um professor sempre afeta a eternidade. Ele nunca saberá onde sua influência termina” (Henry Brooks Adams)

“A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. (Nélson Mandela)
Postado por majoar
 
Sábado, 12 de setembro de 2009

SALA DE AULA

"Recebi esse texto de uma amiga e achei legal publicá-lo aqui. Sei que nós professores e professoras que estamos no di-a-dia em sala de aula, sempre temos uma história dessa para contar e é muito bom quando conseguimos resolver sem expor o aluno a situações constrangedoras. E viva Suzi!!!!!"

Venha comigo a uma sala de aula do terceiro ano... Há um menino de nove anos sentado à sua carteira e de repente há uma poça entre seus pés... E a parte dianteira de suas calças está molhada. Pensa que seu coração vai parar porque não pode imaginar como isso aconteceu. Isso nunca havia acontecido antes, e sabe que quando os meninos descobrirem nunca mais terá paz. Quando as meninas descobrirem, nunca mais falarão com ele enquanto viver. O menino acredita que seu coração vai parar; abaixa a cabeça e reza esta oração:
"Querido Deus, isto é uma emergência! Eu necessito de ajuda agora! Mais cinco minutos e serei um menino morto".
Levanta os olhos de sua oração e vê a professora chegando com um olhar que diz que foi descoberto. Enquanto a professora está andando até ele, uma colega chamada Susie está carregando um aquário cheio de água. Susie tropeça na frente da professora e despeja inexplicavelmente a água no colo do menino. O menino finge estar irritado, mas ao mesmo tempo interiormente diz: "Obrigado, Senhor ! De repente, em vez de ser objeto de ridículo, o menino é objeto de compaixão. A professora desce apressadamente com ele e dá-lhe shorts de ginástica para vestir enquanto suas calças secam. Todas as outras crianças estão sobre suas mãos e joelhos limpando ao redor de sua carteira. A compaixão é maravilhosa. Mas como tudo na vida, o ridículo que deveria ter sido dele foi transferido a outra pessoa - Susie. Ela tenta ajudar, mas dizem-lhe para sair. "Você já fez demais, sua grosseira!" Finalmente, no fim do dia, enquanto estão esperando o ônibus, o menino caminha até Susie e lhe sussurra: “Você fez aquilo de propósito, não foi ?” E Susie lhe sussurra: ”Eu também molhei minha calça uma vez” Possa Deus nos ajudar a ver as oportunidades que sempre estão em torno de nós para fazer o bem.
Postado por majoar
 
Quarta-feira, 14 de outubro de 2009

DIA DO PROFESSOR
15.10.2009
Hoje a minha homenagem vai para um profissional muito importante para a sociedade. O PROFESSOR. Categoria da qual faço parte e me orgulho disso. Não é porque a categoria está desvalorizada e não tem o merecido respeito das autoridades, que eu vá me envergonhar da minha classe. Sei que tenho o meu valor. Quando luto pelos meus direitos, faço de uma forma digna, pois não estou pedindo nada além do que mereça, mas o que é meu por direito e por justiça. Portanto, quero prestar uma homenagem a essa categoria tão digna, e quero parabenizar a todos os meus colegas, principalmente aqueles que ainda são apaixonados pelo magistério, com um texto, escrito por uma pessoa que considero especial, apesar de não conhecê-la pessoalmente, mas considero-a especial pela sensibilidade com que soube expressar nesse texto toda valorização que os professores merecem. O texto tem como título : "Professores Apaixonados", e o seu autor chama-se Gabriel Perissé. E quem é Gabriel Perissé?
(Gabriel Perissé é doutor em Filosofia da Educação pela USP e autor do livro “o professor do futuro-Thex Editora – 19/09/03).
Eis então o texto:
PROFESSORES APAIXONADOS
(Gabriel Perissé)

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela ideia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nenhum pouco de romantismo barato. Apaixonar-se sai caro!
Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela vida do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor/a desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão.
Mas o professor apaixonado não deixa de ser professor, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúdica esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida.
Mera oração subordinada e mais nada. Os professores apaixonados querem tudo.
Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los.
Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.

PARABÉNS PROFESSOR(A)!!!! PARABÉNS COLEGAS!!!
Postado por majoar
 
Sábado, 14 de novembro de 2009

Mostra Cultural

Quando falamos em Mostra Cultural ou Feira de Ciências nas Escolas, temos sempre o mesmo pensamento: lá vem tudo de novo!!! Estresse, muita correria, trabalho demais, alunos que não participam e só fazem os trabalhos para ganhar a nota, e por aí vai. Pensamos em desistir! Pra que tanto trabalho! Pra nada?!! É sempre a mesma história. Mas, meus amigos, mesmo com todos esses argumentos acabamos de realizar a Mostra Cultural da Escola Estadual Sebastião Fernandes de Oliveira, nos dias 13 e 14 de Novembro de 2009. E ela foi um sucesso!!! Com o tema "Meio Ambiente", os professores emcamparam a atividade com muito entusiasmo e esmero e os alunos!! Estes se dedicaram ao máximo!! Caíram em campo, pesquisaram, montaram maquetes, vídeos, fizeram experiências, apresentaram peças teatrais e encantaram a todos que visitaram suas belissimas produções. Porém, todo esse trabalho não teria sucesso se antes não tivesse acontecido um bom planejamento. E aqui, compartilhamos como tudo foi organizado. Em primeiro lugar uma breve justificativa para o tema:
Nunca se falou tanto em preservar o Meio Ambiente, quanto nos dias de hoje. O fato é que, com o avanço das civilizações, aconteceu também gradativamente o descuido como o nosso ambiente chegando ao caos que hoje se encontra. Talvez porque não houvessem os problemas que hoje enfrentamos no planeta, até um tempo atrás, se pensava na biodiversidade como algo sem função ou valor especial. Animais e plantas eram classificados como: úteis, nocivos ou sem valor. O solo também era classificado em fértil e não fértil. Tudo era muito simplificado. Não pensávamos em preservação, pois em muitas mentes não passava a ‘questão’ de que o ambiente pudesse ser destruído. A geração de hoje, encontra-se com esse grande problema para resolver. CUIDAR DO MEIO AMBIENTE, do nosso ecossistema, que é a unidade de funcionamento do meio ambiente, onde as comunidades de seres vivos interagem. O ecossistema reúne os seres vivos, fatores químicos e físicos do local e cada elemento influenciam as propriedades do outro. Diante do exposto, muitas ações humanas têm produzido um efeito catastrófico na biodiversidade, como: o crescimento das cidades, as atividades industriais, as de mineração, a construção de hidrelétricas, a ocupação de grandes áreas de floresta, principalmente pela monocultura e pecuária, o uso excessivo dos recursos da natureza, a poluição, o lançamento de agrotóxicos bem como os dejetos domésticos e industriais que, degradam os ecossistemas e por conseqüência afetam a diversidade da vida. Estas ações provocam efeitos indiretos nas alterações climáticas. Em 2007, o IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas), apresentou um relatório onde avisa que o aquecimento global adicional será de pelo menos 0,1ºC por década. Com tamanho impacto só com resiliência o planeta terá capacidade de se proteger e se recuperar dos impactos sofridos.
Isso posto, A Escola Estadual Sebastião Fernandes de Oliveira, através do seu corpo de Professores do Ensino Fundamental, turno Matutino, do 6º ao 9º Ano, encontra-se bastante preocupada com as questões ambientais, por isso vem trabalhando insistentemente sobre o tema, com o objetivo de fomentar no aluno a sede de cuidar do Meio Ambiente e, partindo de reflexões sobre ações possíveis, apresentará de forma interdisciplinar, nos dias 13 e 14 de novembro de 2009, uma produção escolar com todas as séries, obedecendo às seguintes reflexões temáticas:

6º Ano – Solo/Lixo–trabalhado pelas disciplinas de Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Matemática e Biblioteca.

OBJETIVOS

• Incentivar o hábito de reaproveitar materiais que se jogados fora vão contaminar o solo.

• Transformar o inútil em útil.

De Blog Maria Joana

7º Ano - Tema: Água – Saneamento básico – Poluição

Trabalhado pelas disciplinas de Matemática e Educação Física.

OBJETIVOS: Descobrir a importância da água na nossa vida; Identificar os perigos que ameaçam a água e propor soluções para combatê-los.
De Blog Maria Joana

8ºAno – Tema: AR – trabalhado pelas disciplinas de História, Cultura do RN, Ciências, e Religião. OBJETIVOS

• Descobrir os perigos que o aquecimento global pode trazer para o Ar.

• Identificar formas de conservação do Ar.
• Compreender através de experiências as propriedades e composição do ar.

• Identificar os impactos causados no ar a partir da Revolução Industrial e seus Novos Inventos.
De Blog Maria Joana

9º Ano – Tema: Poluição visual e sonora – Patrimônio... – trabalhado pela disciplinas de Geografia .

OBJETIVOS:

Pesquisar e mostrar para a Comunidade Escolar os efeitos da Poluição Visual e sonora; Estudar, identificar e avaliar o patrimônio material e imaterial do RN; Mostrar a importância de cuidar do Patrimônio cultural do RN.
De Blog Maria Joana

Parabens a todos!!!!
Postado por majoar

Segunda-feira, 23 de novembro de 2009
Festival Literário da Escola Municipal Professora Mareci Gomes dos Santos

Nos dias 19 e 20 de Novembro de 2009, aconteceu na Escola Municipal Professora Mareci Gomes dos Santos, o II Festival Literário. A Escola que atende crianças da Educação Ianfantil ao 5º Ano do Ensino Fundamental, esbanjou criatividade nas apresentações e produções culturais e literáraias. Confira a Programação e as fotos do evento.
De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

Quem visitou o Festival Literário, se deliciou com o trabalho desenvolvido pelas oficinas. Eu conferi de perto o evento e posso confirmar que foi um sucesso!!! Parabéns à Equipe da Escola, que não mediu esforços para a realização do Evento.
De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana

De Blog Maria Joana
Postado por majoar

Sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010
"O FIM DOS PROFESSORES"

Recebi esse texto de um amigo e achei bastante interessante para nortear as reflexões do ano letivo que se inicia. Espero que gostem!!!
O fim dos professores
O ano é 2.209 D.C., ou seja, daqui a duzentos anos. É uma conversa entre avô e neto que tem início a partir da seguinte interpelação:
- Vovô, por que o mundo está acabando?
A calma da pergunta revela a inocência da alma infante. E no mesmo tom vem a resposta:
- Porque não existem mais PROFESSORES, meu anjo.
- Professores? Mas o que é isso? O que fazia um professor?
O velho responde, então, que professores eram homens e mulheres elegantes e dedicados, que se expressavam sempre de maneira muito culta e que, muitos anos atrás, transmitiam conhecimentos e ensinavam as pessoas a ler, falar, escrever, se comportar, localizar-se no mundo e na história, entre muitas outras coisas. Principalmente, ensinavam as pessoas a pensar.
- Eles ensinavam tudo isso? Mas eles eram sábios?
- Sim, ensinavam, mas não eram todos sábios.
Apenas alguns, os grandes professores, que ensinavam outros professores, e eram amados pelos alunos.
- E como foi que eles desapareceram, vovô?
- Ah, foi tudo parte de um plano secreto e genial, que foi executado aos poucos por alguns vilões da sociedade. O vovô não se lembra direito do que veio primeiro, mas sem dúvida, os políticos ajudaram muito. Eles acabaram com todas as formas de avaliação dos alunos, apenas para mostrar estatísticas de aprovação. Assim, sabendo ou não sabendo alguma coisa, os alunos eram aprovados. Isso liquidou o estímulo para o estudo e apenas os alunos mais interessados conseguiam aprender alguma coisa.
Depois, muitas famílias estimularam a falta de respeito pelos professores, que passaram a ser vistos como empregados de seus filhos. Estes foram ensinados a dizer "eu estou pagando e você tem que me ensinar", ou "para que estudar se meu pai não estudou e ganha muito mais do que você" ou ainda "meu pai me dá mais de mesada do que você ganha".
Isso quando não iam os próprios pais gritar com os professores nas escolas.
Para isso muito ajudou a multiplicação de escolas particulares, as quais, mais interessadas nas mensalidades que na qualidade do ensino, quando recebiam reclamações dos pais, pressionavam os professores, dizendo que eles não estavam conseguindo "gerenciar a relação com o aluno". Os professores eram vítimas de violências - física, verbal e moral - que lhes eram destinadas por pobres e ricos. Viraram saco de pancadas de todo mundo.
Além disso, qualquer proposta de ensino sério e inovador sempre esbarrava na obsessão dos pais com a aprovação do filho no vestibular, para qualquer faculdade que fosse. "Ah, eu quero saber se isso que vocês estão ensinando vai fazer meu filho passar no vestibular", diziam os pais nas reuniões com as escolas. E assim, praticamente todo o ensino foi orientado para os alunos passarem no vestibular. Lá se foi toda a aprendizagem de conceitos, as discussões de idéias, tudo, enfim, virou decoração de fórmulas.
Com a Internet, os trabalhos escolares e as fórmulas ficaram acessíveis a todos, e nunca mais ninguém precisou ir à escola para estudar a sério.
Em seguida, os professores foram desmoralizados. Seus salários foram gradativamente sendo esquecidos e ninguém mais queria se dedicar à profissão. Quando alguém criticava a qualidade do ensino, sempre vinha algum tonto dizer que a culpa era do professor. As pessoas também se tornaram descrentes da educação, pois viam que as pessoas "bem sucedidas" eram políticos e empresários que os financiavam, modelos, jogadores de futebol, artistas de novelas da televisão, sindicalistas - enfim, pessoas sem nenhuma formação ou contribuição real para a sociedade. Ah, mas teve um fator chave nessa história toda. Teve uma época longa chamada ditadura, quando alguns dirigentes colocaram os professores na alça de mira e quase acabaram com eles, que foram perseguidos, aposentados, expulsos do país, em nome do combate aos inimigos e à instalação de uma república sindical no país. Eles fracassaram, porque a tal da república sindical se instalou, os tais subversivos tomaram o poder, implantaram uma tal de "educação libertadora" que ninguém nunca soube o que é, fizeram a aprovação automática dos alunos com apoio dos políticos...
Foi o tiro de misericórdia nos professores. Não sei o que foi pior - os milicos ou os tais dos subversivos.
- Não conheço essa palavra. O que é um milico, vovô?
- Era, meu filho, era, não é. Também não existem mais...
(Autor Desconhecido)

Sábado, 10 de abril de 2010

O MÉTODO PAULO FREIRE

É sempre bom relembrar o método Paulo Freire. Principalmente se você trabalha com uma clientela do 6º ao 9º ano e encontra alunos que ainda não se alfabetizaram. Isso não é difícil de acontecer. Eu trabalho numa Escola Pública e estou vivenciando esse problema. Estamos lançando mão desse método... e estamos disponibilizando para os colegas que por ventura estejam precisando para essa e qualquer outro fim.

Eis então, o Método

Não é possível se falar da compreensão de educação de Paulo Freire sem nos referirmos e nos determos numa parte intrínseca dela: o seu “Método de Alfabetização”. Esse vai além da simples alfabetização. Propõe e estimula a inserção do adulto iletrado no seu contexto social e político, na sua realidade, promovendo o despertar para a cidadania plena e transformação social. É a leitura da palavra, proporcionando a leitura do mundo. Suas idéias nasceram no contexto do Nordeste brasileiro a partir da década de 1950, onde metade dos seus 30 milhões de habitantes eram analfabetos, com predomínio do colonialismo e todas as vivências impostas por uma realidade de opressão, imposição, limitações e muitas necessidades.



Freire aplicou, pela primeira vez, publicamente, o seu método no “Centro de Cultura Dona Olegarinha”, um C írculo de Cultura do Movimento de Cultura Popular do Recife (MCP) para discussão dos problemas cotidianos na comunidade de “Poço da Panela”.
Dos 5 alunos, três aprenderam a ler e escrever em 30 horas, outros 2 abandonaram o “curso”. O método de alfabetização de Paulo Freire é resultado de muitos anos de trabalho e reflexões de Freire no campo da educação, sobretudo na de adultos em regiões proletárias e subproletárias, urbanas e rurais, de Pernambuco. No processo de aprendizado, o alfabetizando ou a alfabetizanda é estimulado(a) a articular sílabas, formando palavras, extraídas da sua realidade, do seu cotidiano e das suas vivências. Nesse sentido, vai além das normas metodológicas e lingüísticas, na medida em que propõe aos homens e mulheres alfabetizandos que se apropriem da escrita e da palavra para se politizarem, tendo uma visão de totalidade da linguagem e do mundo. O método Paulo Freire estimula a alfabetização/educação dos adultos mediante a discussão de suas experiências de vida entre si, os participantes da mesma experiência, através de tema/palavras gerador (as) da realidade dos alunos, que é decodificada para a aquisição da palavra escrita e da compreensão do mundo. As experiências acontecem nos Círculos de Cultura.

“Estudar não é um ato de consumir idéias, mas de criá-las e recriá-las.”
FREIRE P.. (1982) Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra (6ª edição), pp. 09-12.

O “MÉTODO PAULO FREIRE” ESTÁ ESTRUTURADO EM TRÊS ETAPAS:

1) Etapa de Investigação: aluno e professor buscam, no universo vocabular do aluno e da sociedade onde ele vive, as palavras e temas centrais de sua biografia.
2) Etapa de Tematização: aqui eles codificam e decodificam esses temas, buscando o seu significado social, tomando assim consciência do mundo vivido.
3) Etapa de Problematização: aluno e professor buscam superar uma primeira visão mágica por uma visão crítica do mundo, partindo para a transformação do contexto vivido.
Em seu livro Educação como Prática da Liberdade, Freire propõe a execução prática do Método em cinco fases, a saber:
1ª fase: Levantamento do universo vocabular dos grupos com quem se trabalhará. Essa fase se constitui num importante momento de pesquisa e conhecimento do grupo, aproximando educador e educando numa relação mais informal e portanto mais carregada de sentimentos e emoções. É igualmente importante a anotação das palavras da linguagem dos componentes do grupo, dos seus falares típicos.
2ª fase: Escolha das palavras selecionadas do universo vocabular pesquisado. Esta escolha deverá ser feita sob os critérios: a) da sua riqueza fonética; b) das dificuldades fonéticas, numa seqüência gradativa das menores para as maiores dificuldades; c) do teor pragmático da palavra, ou seja, na pluralidade de engajamento da palavra numa dada realidade social, cultural, política etc.
3ª fase: Criação de situações existenciais típicas do grupo com quem se vai trabalhar. São situações desafiadoras, codificadas e carregadas dos elementos que serão decodificados pelo grupo com a mediação do educador. São situações locais que, discutidas, abrem perspectivas para a análise de problemas locais, regionais e nacionais.
4ª fase: Elaboração de fichas-roteiro que auxiliem os coordenadores de debate no seu trabalho. São fichas que deverão servir como subsídios, mas sem uma prescrição rígida a seguir.
5ª fase: Elaboração de fichas para a decomposição das famílias fonéticas correspondentes aos vocábulos geradores. Esse material poderá ser confeccionado na forma de slides, stripp-filmes (fotograma) ou cartazes.


“É mais do que um método que alfabetiza, é uma ampla e profunda compreensão da educação que tem como cerne de suas preocupações a natureza política.”
(A Voz da Esposa - A Trajetória de Paulo Freire)
Fonte:http://www.projetomemoria.art.br/PauloFreire/pensamento/01_pensamento_o%20metodo_paulo_freire.html

28 de Setembro de 2010
DINÂMICA DAS QUALIDADES
Essa dinâmica, pode ser feita em confraternizações de várias matureza. Seja Natal ou outra comemoração cabível. Eu mesma já fiz com um grupo de professores por ocasião da comemoração do seu dia. O resultado foi maravilhoso!!! Faça bom proveito.


Iniciando a dinâmica...
Vamos brincar com as qualidades dos seres humanos. Qualidade esta que todos nós temos, uns com mais intensidade e outros com menos. Uma grande qualidade que nos liga aos outros é ser AMIGO. Então vou dar este presente para pessoa que eu acho que usa muito o seu lado amigo. ... Amizade é um sentimento de afeição, estima, benevolência e bondade que dispensamos a todos que queremos bem. Você foi premiada com este presente e ele simboliza a compreensão, a confraternização e a amizade que fizemos durante todo esse tempo.Como você é uma pessoa muito amiga de todos nós, você não vai ficar com este presente vai dá-lo a pessoa que você achar mais SOLIDÁRIA.
Parabéns! Solidariedade é uma coisa muito rara no mundo em que vivemos, de pessoas egocêntricas. Você está de parabéns por ser solidário(a) aos colegas, mas, o presente não será seu. Passe-o a quem achar mais ALEGRE.
EHEHEHEH, Alegria! Você a todo o momento poderá fazer renascer em muitos corações a alegria de viver. Pessoas alegres como você transmitem otimismo e alto astral. Com sua alegria passe o presente a quem você achar mais ELEGANTE.
UAU! Elegância completa a criação humana e sua presença se torna mais marcante. Mas, o presente infelizmente não será seu. Passe-o a quem você achar mais COMPREENSIVO(A).
Por você ser uma pessoa muito compreensiva nas horas que todos mais precisam, entenda a nossa necessidade de passar mais uma vez o presente e entregue-o a quem achar mais ORGANIZADO.
A organização é algo fundamental e de grande valor. Você como possuidor dessa virtude irá levantar-se e entregar este lindo presente ao amigo ou amiga que achar mais FELIZ.
Você é feliz!!! Construa sempre sua felicidade em cima de bases sólidas. A felicidade não depende dos outros, mas, de nós mesmos. O mundo está tão amargo que para melhorá-lo um pouco, necessitamos de muitas pessoas como você. Obrigada pelo lindo exemplo que nos dar. O presente também não será seu, entregue-o a pessoa que na sua opinião é muito CRIATIVO(A).
O mundo hoje, mais do que nunca é movido pelas cabeças pensantes, pelas pessoas que não esperam a oportunidade, simplesmente criam-na. A criatividade é um dom divino, parabéns por ser assim. Criativamente entreue o presente sem que ninguém perceba que você o queria, para quem você achar mais MEIGO(A).
Meiguice é algo muito raro no nosso mundo corrido e você a possue, parabéns! Só o seu olhar já deixa o nosso dia mais terno. Com todo carinho que você dispõe passe o presente para quem você acha mais EXTROVERTIDO(A).
Por ter esse jeito tão expansivo e comunicativo é que você foi escolhido para receber finalmente o presente, mas ele também não será seu. Passe-o para quem você considerar mais CORAJOSO(A).
Você foi contemplado com este presente pela sua força e desbravamento. Do seu lado sentimos sempre segurança. Com muita coragem passe o presente a quem você achar mais INTELIGENTE.
A inteligência nos foi dada por Deus e você a desenvolveu muito bem. Use-a sempre para o bem. Parabéns por ter encontrado espaço para demonstrar este talento, pois muitos de nossos irmãos são inteligentes, mas a sociedade impede que eles desenvolvam. Agora passe o presente para quem você acha mais SINCERO(A).
A sinceridade é um valor muito importante no caráter de um ser humano e para a união de uma grande família. Mas, lamento informar que o presente não é seu. Seja sincero e passe para quem você achar mais SIMPÁTICO(A).
A simpatia encontra portas abertas sempre e caso não ache, ela consegue abrir. Conquistar e agradar são seus dons. Para comemorar esta escolha, distribua o seu largo sorriso aos amigos e repasse o presente, sem ficar triste para quem achar mais DINÂMICO(A).
Dinamismo é fortaleza, coragem, compromisso e irradia energia. Seja sempre agente multiplicador de boas idéias e boas ações em seu meio. Passe o presente com eficiência e eficácia que tanto lhe é peculiar a quem achar que mais lhe transmite PAZ.
O mundo inteiro clama por paz e você gratuitamente nos abençoa com esta tão grande riqueza. Parabéns! Você está fazendo falta às grandes potências mundiais, responsáveis por tantos conflitos entre a humanidade. Com muita paz, abra o presente e distribua a todos os amigos lhes desejando em nome de todos nós um Feliz Natal e uma linda confraternização, com muito amor!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!!!